9 perguntas sobre Coronavírus respondidas

0

Existem várias perguntas sobre Coronavírus que até hoje não é claro para muitos. Em meados de setembro do ano de 2019, o mundo foi completamente surpreendido com o surgimento de uma nova doença viral e de rápida transmissão, o Corona vírus. 

A pandemia causada pelo vírus da Covid-19 mudou a vida de todos em todo o globo. Diante da falta de tratamento e medicamento, o mundo se viu isolado, apreensivo e com muitas perguntas sobre o Coronavírus.

covid 19 doença respiratória
Fonte: Freepik

Atualmente, nota-se um certo costume com a situação, isso porque durante um curto intervalo de tempo, os casos diminuíram. No entanto, em muitos lugares houve uma nova onda de infecção, felizmente os médicos e hospitais encontram-se mais bem preparados e estruturados, além disso, algumas vacinas já estão em análise.

Mesmo assim, ainda são muitas perguntas sobre Coronavírus que percorrem o mundo, e não podia ser diferente. Com tudo, este artigo tem o objetivo de sanar suas dúvidas sobre o coronavírus, bem como sobre as vacinas.

Qual a melhor hora para fazer compras durante o coronavírus? 

Uma das principais perguntas sobre Coronavírus é referente ao melhor horário para fazer as compras. Devido a pandemia causada pelo vírus da Covid-19 atividades simples do cotidiano passaram a exigir certos cuidados, a fim de se evitar o contágio do vírus. 

Até mesmo fazer compras se tornou um verdadeiro desafio. Assim, atividades simples como está exigem diversos cuidados, tais como:

  • Escolher as horas de menor pico para fazer compras;
  • Manter ao menos 1 m de distância de outras pessoas;
  • Usar máscara do nariz ao queixo;
  • Evitar passar as mãos na boca, no nariz e também nos olhos;
  • Passar álcool em gel nas alças do carrinho ou cestinha;
  • Lavar as mãos imediatamente com água e sabão após chegar em casa;
  • Lavar e/ ou higienizar os produtos adquiridos;
  • Sempre que possível faça compras online.

Escolher horários que não são de pico e buscar fazer as compras em meios digitais, tais como, lojas virtuais e aplicativos são as melhores opções. Mas se precisar se dirigir a lojas físicas tome os devidos cuidados. Vale lembrar que não existem casos confirmados de COVID-19 transmitido por embalagens. 

Os cães podem transmitir coronavírus?  

Outra que é sempre pauta dentre as perguntas sobre Coronavírus, são os cães. Pois no início da pandemia dizia-se que animais domésticos não podiam contrair ou transmitir o vírus da COVID-19. 

duas garotas com cães em um dia ensoralado
Fonte: Freepik.com

No entanto, com o avançar da pandemia houveram constatações de animais domésticos contaminados e com os sintomas da doença. No entanto, apenas em felinos.

Organização Mundial de Saúde Animal

Então a OIE – Organização Mundial de Saúde Animal desenvolveu diversas orientações sobre a saúde dos animais, teste em animais e os serviços que devem ser prestados nesses casos. Dentre ações que devem ser tomadas pelos donos para assegurar a saúde de seus animaizinhos. 

Não se sabe ainda como os animais são infectados, a possibilidade mais provável  é que seja por contato com humanos infectados. A OIE tem desenvolvido estudos para confirmar as teorias e descobrir como os animais transmitem a doença entre si ou se podem passar para humanos.

Dessa forma, não existem evidências científicas suficientes para comprovar se cães podem ser contaminados e se são ou não hospedeiros intermediários da COVID-19. Mas muitas pesquisas estão em andamento. De qualquer forma, é importante lembrar que o abandono de animais é crime.

A vacina contra o coronavírus é segura?  

A vacina é tema central das perguntas sobre Coronavírus desde o início da pandemia, por isso os países do mundo todo entraram em uma verdadeira corrida em busca da descoberta da vacina. 

Meses após o surgimento da doença, felizmente as primeiras vacinas estão em teste de eficiência. No entanto, muitas são as dúvidas que norteiam a todos sobre a vacina e sua eficiência.

Protocolo de aprovação das vacinas

É importante lembrar que as vacinas passam por uma série de testes e só estarão ao alcance do público em geral após serem comprovadamente eficazes e seguras. O que significa que para se dar início ao processo de vacinação em massa, a vacina deverá passar pela aprovação das instituições de regulamentação.  

Considerável parcela dos cientistas afirma que as vacinas contra a COVID-19 não são totalmente eficazes. No entanto, a OMS trabalha incansavelmente para assegurar que as vacinas aprovadas sejam as mais eficazes possível, para dar resposta a uma das perguntas sobre Coronavírus mais frequentes. 

E em conjunto à OPA, buscam meios de assegurar que todos tenham acesso à vacina.

Resultados das vacinas

Enquanto isso, o mundo aguarda ansiosamente o início do processo de vacinação para controle da pandemia do coronavírus. Vale ressaltar que a vacina é a medida mais eficaz para controlar a COVID-19. O que, consequentemente, reduz os impactos na saúde, sociedade e economia. 

Os resultados da vacinação irão depender da eficácia das vacinas, da rapidez com que elas serão aprovadas e aplicadas na população e da quantidade de pessoas que serão vacinadas. Quanto mais pessoas forem vacinadas, menores as possibilidades de propagação da doença.

Vômito é um sintoma de coronavírus?  

Perguntas sobre Coronavírus e os seus sintomas e causas também são bastante recorrentes. Os sintomas do coronavírus variam de pessoa para pessoa, muitos sequer apresentam sintomas, estes são considerados assintomáticos. 

Normalmente os sintomas a priori são leves e ficam mais graves com o decorrer da doença. Dentre os sintomas vistos até os dias atuais, a OMS cita:

  • Febre incessante;
  • Cansaço;
  • Tosse seca;
  • Dores no corpo; 
  • Dores de cabeça;
  • Congestão nasal;
  • Conjuntivite;
  • Dores de garganta;
  • Diarreia;
  • Perda de paladar e/ ou olfato;
  • Erupção cutânea na pele;
  • Descoloração dos dedos, tanto das mãos, quanto dos pés.

Os sintomas mais comuns são perda de paladar e olfato, cansaço e febre alta que não cessa. Cerca de 80% das pessoas diagnosticadas com o coronavírus conseguem se recuperar sem precisar se internar. A cada 6 pessoas infectadas pelo vírus uma apresenta dificuldade de respirar e/ ou sintomas mais intensos.

Idosos com outros problemas de saúde, tais como, pressão alta, doenças cardíacas, diabetes, dentre outros, são mais suscetíveis ao vírus. Além disso, o quadro clínico desse grupo tende a se agravar mais rapidamente, no entanto qualquer pessoa com dores no peito e falta de ar deve procurar atendimento médico imediatamente.

Contudo, nota-se que o vômito não é um dos sintomas da COVID-19, o que já responde outra das frequentes perguntas sobre Coronavírus. Além disso, existem diversas outras doenças que causam sintomas semelhantes. 

Fique sempre atento aos sintomas, as possíveis causas e evite a automedicação. Procure atendimento médico urgente em casos de falta de ar.  

De onde veio o coronavírus?

Essa foi uma das primeiras perguntas sobre Coronavírus que surgiu logo com os primeiros casos divulgados. Acredita-se que o surto causado pelo novo coronavírus tenha surgido na China devido ao contato de seres humanos com espécies de animais silvestres. 

mascara no japão
Fonte: Freepik

O surgimento de doenças virais comumente é resultado da destruição dos ecossistemas do nosso planeta. 

Os animais, assim como os humanos, são portadores de diversos vírus e bactérias. Estes podem não causar nenhum dano a saúde do animal, no entanto outras espécies podem não ter anticorpos para aquele determinado tipo de vírus. O que resulta em danos à saúde.

Epicentros inconstantes

Mesmo com evidências de que o vírus veio de território chinês, o início da pandemia foi marcada por uma série de epicentros inconstantes. Ou seja, houveram ocorrências da doença em Wuhan, Irã, China, Espanha, Itália e Nova York, mais ou menos no mesmo período. 

A rápida proliferação do vírus em diferentes países no mesmo intervalo de tempo dificultou a identificação e controle da doença. No Brasil, a primeira ocorrência oficial de infecção por coronavírus ocorreu em meados de março. No entanto, acredita-se que o vírus já circulava pelo país desde o início do ano.

Você pode pegar o coronavírus duas vezes? 

A reinfecção é outro assunto recorrente dentre as principais perguntas sobre Coronavírus desde o começo da infestação do vírus.  A OMS já registrou relatos de reinfecções pelo coronavírus. 

Cientistas buscam entender o funcionamento do vírus e a resposta imunológica do organismo a fim de compreender a ocorrência desses casos.  Isso porque, em situações comuns, o organismo deveria tornar-se autoimune.

Diante da falta de evidências, a OMS tem buscado implementar a imunidade coletiva. A qual consiste em uma proteção indireta da população, que pode evitar doenças infecciosas que ocorrem quando a população infectada é imunizada por vacinação ou imunidade de infecções anteriores. 

Isso significa que as pessoas que não estão infectadas ou que não causaram uma resposta imunológica estão protegidas, porque as pessoas com imunidade ao seu redor podem agir como um tampão entre elas e a pessoa infectada. Ainda não está claro como estabelecer um limite para imunidade em coletiva para COVID-19.

A gripe é um coronavírus? 

Opiniões controversas de médicos e autoridades políticas fazem dessa uma das perguntas sobre Coronavírus mais recorrentes nos últimos tempos. Viroses e gripes são causadas por vírus, a COVID-19 também é causada por um vírus que pode apresentar sintomas de uma simples virose ou causar insuficiência respiratória e danos mais graves. 

mulher doente assoando nariz sentada cama
Fonte: Freepik

Este pertence à família dos vírus SARS-COV, que há anos infectam pessoas ao redor do globo, no entanto, apresenta sintomas mais críticos.

Os sintomas do coronavírus são bastante semelhantes aos sintomas de uma gripe comum ou mesmo de um resfriado. Então, caso tenha tosse leves e febre que passe com medicamento não há necessidade de buscar atendimento médico, o ideal é ficar em casa, em auto isolamento, e se atentar à evolução dos sintomas.

Evolução dos sintomas

Caso os sintomas evoluem ou se o indivíduo apresentar cansaço constante, dificuldade em respirar, dores no peito e/ ou febre incessante, recomenda-se buscar atendimento médico o mais rápido possível. Além disso, se morar em uma área de propagação de outras doenças, tais como, dengue e malária.

Vale ressaltar que os sintomas da virose somem em três a quatro dias. A gripe comum é marcada por dores na garganta, nariz entupido e febre. Enquanto a COVID-19 é caracterizada pelos sintomas já citados aqui e os quais se agravam com o passar dos dias. 

Se possível consultar um médico via telefone antes de se dirigir a uma unidade de pronto atendimento ou a um posto de saúde. Tome todos os cuidados necessários para assegurar sua saúde e a das pessoas que irão lhe prestar ajuda.

Como se proteger do coronavírus?  

Desde o surgimento da pandemia e compreensão dos danos que estas causaram, a OMS tem utilizado os meios de comunicação em massa para orientar quanto aos cuidados básicos pessoais que evitam a propagação do vírus. 

Sem dúvidas, uma das perguntas sobre Coronavírus que todo mundo já fez, é como se proteger da doença. As principais medidas são:

  • higienizar as mãos com frequência, com álcool e/ou sabão;
  • Utilizar álcool em gel, antes e após tocar superfícies;
  • Utilizar máscara ao sair de casa;
  • Cobrir a região da boca com o antebraço para tossir ou espirrar;
  • Manter-se á no mínimo um 1 m de distância de outras pessoas;
  • Evitar sair de casa sem necessidade;
  • Evitar aglomerações;
  • Evitar apertos de mãos.

Na falta de vacina, minimizar o máximo possível a propagação do vírus é a medida mais eficaz para reduzir a mortalidade por coronavírus. Mas para que o sistema funcione da forma correta, todos têm que fazer a sua parte, pois apenas assim, será possível se proteger e proteger as pessoas ao redor.

Quanto tempo leva para os sintomas do coronavírus aparecerem?

Por fim, por sem uma preocupação geral, outra frequente dentre as perguntas sobre Coronavírus, é sobre o período para manifestação dos sintomas. O coronavírus dura de 1 a 14 dias incubado no organismo, ou seja, são cerca de duas semanas entre a contaminação e o aparecimento dos primeiros sintomas. 

Além disso, os sintomas se apresentam de forma gradual. Vale ressaltar que nem sempre os sintomas aparecem, no entanto, é possível contaminar outras pessoas.

Durante esse período de incubação do vírus, é possível transmitir para outras pessoas. Por isso, independente do aparecimento ou não de sintomas, ninguém pode afirmar não ter sido contaminado pelo coronavírus e é obrigação de todos atender às normas de segurança e proteção.

Nesse texto foram explanadas as 9 principais perguntas sobre Coronavírus e atribuímos resposta a cada uma delas. Caso tenha ficado alguma dúvida, comente logo abaixo e se tiver gostado leia outros artigos do nosso site.

Fonte e referenciais:

https://www.paho.org/pt/covid19

https://www.nytimes.com/live/2020/12/09/world/covid-19-coronavirus

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.